Nome

Já não sei o meu nome
Nem porquê
Me chamaram assim
De uma outra vez.

Ficava horas parado como em pedra
Como pedras muito lisas de cor cinza
Nomes lentos monótonos
Gravados
Sobre o ar da manhã
Sem dizer nada.

Um nevoeiro breve
Cobre as coisas
Dá-lhes fulgores de luz
Metalizada. Alguém passa
Na rua alguém que chama
Outro nome que o meu
Numa voz clara.

Já não sei o meu nome:
Ninguém chama.


Bernardo Pinto de Almeida

~ por salamandrine em Junho 23, 2007.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: