Alma

Como um alucinado, fui colocar o meu rosto entre as barras da grade cujas extremidades pontiagudas brilhavam contra um céu ameaçador. Foi para esse céu sombrio, a passar do cinzento ao lilás, que o meu olhar se dirigiu. Vislumbrava-o por entre as pequenas folhas de um verde ainda tímido que palpitavam aos primeiros sopros de borrasca. Um a um, os pássaros calaram-se e as criadas conduziram as crianças que açoitavam o ar com com as suas pás. Em breve, seria eu o único a observar densas nuvens de tinta desfraldadas sobre os telhados e acompanhadas pelo solene murmúrio do vento. Subitamente, nesse instante que precede o primeiro trovão e em que tudo parece atento ao ribombar inicial, fui como que arrancado de mim mesmo e depositado entre uma multidão invisível. Fui invadido por inúmeros pensamentos, como uma onda que se abate sobre uma praia como uma espécie de ternura violenta. A alma de toda uma cidade passava pelos gritos, pelo queixume e pelas risadas da tempestade que se elevava acima de mim, e o meu coração disparou em uníssono com esta enorme alegria repleta de cólera e de alvoroço. Dir-se-ia que ao surdo estrondo do céu respondia uma voz longínqua vinda das profundezas do tempo. Eu escutava, imóvel, e depois uma longa linha de fogo percorreu o céu de uma ponta a outra, e no estrépito que ocorreu quase de imediato a chuva fustigou o velho jardim.
Escutei com satisfação esse ruído múltiplo, de sonoridades secas e perfeitamente adequadas à melancolia das memórias antigas; e em breve o sol voltou a brilhar, restituindo-me a mim próprio, com esta imensa bênção do universo que todos experimentamos num momento qualquer das nossas vidas, a fragrância mais delicada que existe no globo, simultaneamente a mais jovem e a mais imemorial, a mais tenebrosa e a mais inocente, a mais próxima do início do mundo e a mais nova, aquela que agita no coração humano a maior tristeza e a maior alegria: o perfume da terra molhada.


Julien Green, Paris
traduzido por Carlos Vaz Marques
Edições Tinta da China

~ por salamandrine em Outubro 8, 2008.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: