ar a mais

A vida na Província, sabes isso há muito mais tempo que eu, tem destes contras: a couve é fácil, mas a convivência é difícil, não há. Em certa medida já creio ter esgotado uma boa média de caldenses de quem estou tão farto como eles de mim. E os livros são muito bons para colher opiniões de tudo, excepto para uma certa clarividência sobre o que fazemos. E o que notara em Setúbal e vim aqui confirmar é de como o País anda desligado, se ignora mutuamente, cada terra é uma linha segregada, e mesmo os melhores não pensam senão em copos de vinho e mulheredo. Com possibilidades aos montões de fazerem vida melhor, digo: mais espiritual, esta gentinha faz de larva sempre pegada à couve. Agora percebo porque tu querias ir a Lx. respirar a atmosfera intoxicada dos cafés… Por aqui há ar a mais, há vazio!


Luiz Pacheco
carta a António José Forte


Pacheco versus Cesariny, Luiz Pacheco
Editorial Estampa

Anúncios

~ por salamandrine em Maio 2, 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: