No Charco

O pássaro não aprende a voar no fundo do charco
A linha que traça a água na areia movediça
não se deixa, na adopção da mesma linha,
reproduzir à mão levantada.
O rastejador segue-a com o olhar na cinza
e atém-se ao fumo do tição apagado.


Omar Pérez

traduzido por Jorge Melícias
Poesia Cubana Contemporânea, Antígona


Anúncios

~ por salamandrine em Maio 2, 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: