Sopa de Doidos

Peguem num bom pedaço de perna, tenro e rosado
Num com mais gordura, noutro de magreza à parte
Todos têm valor, mas o segredo da arte
É saber regular exactamente o bocado.

Cortem um, dois, três doidos gordos ou finos
Para encher até às bordas na chaminé
A púcara, onde vão ferver toda a matiné
As «Malucas» de nome simples e gordo, manjares divinos.

Metam na púcara, cheia como uma cratera
Feijão verde fresquinho e batatinhas
Cenouras e nabos da estação

E sirvam quente, muito quente, para que a fumarada
Desperte o apetite, só à exalação
Do prato de que a sala está toda perfumada.



Segundo Henrí Chantavoine, poeta.

Roland Torpor, A Cozinha Canibal

 

Anúncios

~ por salamandrine em Setembro 27, 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: