Santo

E circulando pelo meu corpo maldito, cheguei a uma região onde as minhas partes eram muito belas e, para viver, era preciso ser-se um santo. Mas eu, que noutro tempo tinha aspirado tanto à santidade, agora que a doença me perseguia, debatia-me e debato-me ainda, e é evidente que assim não continuo a viver.
Teria sem dúvida tido essa possibilidade, mas ser forçado a tal coisa é-me insuportável.

 

Anúncios

~ por salamandrine em Outubro 14, 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: