Bibliomania

Sempre que penso em arrumar ou reorganizar estantes sei, de antemão, que o resultado vai ser sempre pior do que o que a minha imaginação febril é capaz de pintar.

Procrastinadora como só eu, das duas estantes que comprei e que com muito suor, dor e quase lágrimas, consegui trazer para casa nos idos de Março (foi há um bocado mais de tempo, mas idos de Março soa melhor e não parece tão mal), acabei por só montar uma. Deixei-me ficar a olhar para ela a magicar novos jogos de tetris bibliófilo. Até hoje.
Yep. Estante de metro e oitenta, montada e vazia até hoje. Outra estante de metro e oitenta ainda embalada. E sim: livros em pilhas por todo o lado e arrumados em todas a posições possíveis do kama-sutra.
A questão é que eu sabia que a coisa nunca iria ficar só pelas duas estantes. Para organizar duas estantes eu sabia que ia acabar por mexer nas outras seis. E não sabia como. Confesso que não perdi muitas das poucas horas que sobram da noite a pensar nisso. Volta e meia olhava para estante, olhava para os livros e abanava a cabeça.

E pronto. Hoje deu-me a proverbial veneta que me dá quando meto uma coisa na cabeça. Também é muito verdade que normalmente só faço as coisas à base de venetas. Now or never.
Resultado: uma hora a montar a outra estante, 4 horas a arrumar livros.
E seria de pensar que com duas estantes de 1,80m a gaja haveria de ficar com muito espaço livre, não era? Pois. Não. O tal resultado.
Apesar de tudo não foi mau: uma estante só para fotografia e uma só para poesia, excepto as prateleiras de baixo. Tenho uma má relação com as prateleiras rentes ao chão. A culpa é um bocado da ruiva.
Consegui duas prateleiras só para a língua castelhana – um objectivo há muito almejado. Metade de uma delas tem a lombada Vila-Matas. E alarguei o espaço da não-ficção em mais uma prateleira. O teatro tinha conseguido outra só para ele, mas os clássicos invadiram o território.

Neste momento, depois de ter dado a tarefa por encerrada, sei que ainda vou ter que mexer na estante que tem a BD e os livros de arte e todos os Sartres que já não cabiam na estante que lhe cabia a ele e a Beauvoir. Com alguma arrumação, e umas trocas de livros menos mexidos para as infames dos rés-do-chão, a BD vai respirar melhor. E se me organizasse mesmo, até conseguia ter o Sartre, a Beauvoir, o Thomas Mann, o Dagerman e o Camus numa só estante.

É verdade que já não tenho pilhas a ameaçarem caírem-me em cima. Também é verdade que já sinto falta delas. Parece menos o meu canto sem o desequilibro à espera do descalabro. E também não foi desta que arranjei um lugar para os dicionários.

E pronto, neste momento vivo entre 8 estantes de 1,80m, com 5 prateleiras cada. Outra no quarto, só para revistas. Há ainda uma embutida só com dvds e duas pequenas com cds. Os vinis também têm uma prateleira. Algures, perdida no meio, estou eu. E a ruiva.

Anúncios

~ por salamandrine em Junho 10, 2010.

4 Respostas to “Bibliomania”

  1. Belo post! E que raio de dia produtivo o teu! Melhor 10 de Junho de 2010!

  2. um bocadinho partidinha. montar estantes de metro e oitenta, só com escadote mesmo. e olha que encaixar as últimas tábuas… :S

    mas dou por mim, embevecida, a olhar para o novo arranjo ;P

  3. bom dia! grande trabalho!! excelente reportagem :p!!

  4. ;P

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: