O Monstro Verde (ainda)

O Ulisses não tem sido bom para mim. O intervalo de tempo em que tenho lido o Ulisses, não tem sido bom para mim.
A meio do esquizofrénico capitulo 15, lembro os anteriores com saudades, como as que se sentem dos livros já lidos, e que lembramos de tempos a tempos. Aqueles que nos deixam alguma coisa.
Talvez por isso não me consiga convencer a deixá-lo de lado. É o livro que não quero deixar de lado. O primeiro em que sinto remorsos ao pensar fazê-lo, sempre que penso fazê-lo.
Um livro que me faça pensar em deixá-lo de lado, não me costuma afligir quando o faço (felizmente, e apesar da morte anunciada, a era Gutenberg está longe de estar moribunda, e ainda tenho muita literatura por ler). Mas… não consigo abandonar o Ulisses. Apesar da luta, o livro é meu.

Portanto, entro em compromisso. Estou de férias e o Monstro Verde é, de facto, demasiado tijolo para ser carregado com a F3. Pausa. Mais uma.

Vantagens em Viajar de Comboio (Antonio Orejudo Utrilla) é um excelente título para leitura de férias.

E eu preciso recuperar para voltar a fazer as pazes com o Monstro.

Anúncios

~ por salamandrine em Março 6, 2011.

2 Respostas to “O Monstro Verde (ainda)”

  1. Fracolas… É um excelente título e vai dar-te a volta à cabeça com o conteúdo; uma escrita electrónica, à pedrada

  2. Não me maltrates. Ando demasiado cansada e o o gajo não se dá com gaj@s de rastos, que não consigam dar luta.
    Depois volto à carga :P

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: