tudo.

Sou como um explorador e a minha austeridade é própria de um eremita e, tal como Monsieur Teste, sinto que não sou feito para romances, pois as suas grandes cenas, cóleras, paixões e momentos trágicos, longe de me entusiasmarem, «são para mim como míseras explosões, estados rudimentares em que toda a necessidade se desata, em que o ser se simplifica até à parvoíce».
Sou como um explorador que avança para o vazio. Isso é tudo.


Enrique Vila-Matas, Bartleby & Companhia

tradução: José Agostinho Baptista
© Assírio & Alvim

tudo.

Anúncios

~ por salamandrine em Agosto 11, 2011.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: