Ânsia de matar

A Porta do solJerusalém

Assumi assim que lhe peguei, que ler o livro do Saul Bellow seria desafiante e que a probabilidade de me irritar e praguejar seria grande. Será possível para um judeu, qualquer judeu, sionista ou não, a viver em Israel, ou na diáspora, ser totalmente objectivo quando fala de Israel e no conflito com os árabes? Duvido. Menos ainda levando em consideração a data em que o livro foi escrito: primeira metade da década de 70.
E no entanto, fui avançando na leitura e acalmando o ânimo. Nem que fosse apenas por me deixar uma maior compreensão e leitura do lado israelita, teria valido a pena lê-lo. Mas Bellow é um grande escritor e não é completamente cego. Não é completamente objectivo (seria possível pedir-lhe isso? Seria sequer obrigado a sê-lo?), mas não é cego. Nem para (algumas) falhas de Israel, nem para (algumas) dores dos árabes. O que me irritou particularmente foi o recorrente recurso à observação de que se espera mais de Israel do que de outros países, que Israel não é pior do que foram outros, que não é mais injusto do que outros são, que não derrama mais sangue do que derramaram outros na formação dos seus países. Não ser pior não devia ser desculpa para ser. E faz-me muita confusão ler este discurso pela caneta de um judeu. Se espero mais? Se calhar sim. Por terem sofrido deviam ter noção de sofrimento. Maior do que “os outros”. Se é justo esperar mais de Israel e dos judeus? Parece-me mais justo esperar mais e melhor do que esperar igual ou pior. E Israel não está a saber ser melhor.

Se ambos os lados conseguissem reconhecer que ambos são irracionais na pretensão do terreno. É, mais do que qualquer outra coisa, uma questão emocional, religiosa, de fé. E nenhum a admite do outro lado.

Ser-se ateu torna mais difícil compreender o quão importante aquela terra é para ambos os povos. O livro de Khouri mostrou-me o amor de alguém que nunca viveu naquele espaço, e o de Bellow mostra o mesmo. Bellow é o judeu americano que vai a Israel de férias, de passagem. A personagem do livro de Khouri é o árabe que ama a Palestina mas que nunca a conheceu a não ser pelas histórias doridas dos velhos. Que conhece as oliveiras que os israelitas arrancaram e as casas brancas onde agora moram colonos, porque cresceu a aprendê-las de cor. Cresceu e vive em campos de refugiados. Não tem pátria. Os judeus da diáspora defendem a terra onde nunca moraram. Onde podem “regressar” quando quiserem, que amam como se sempre tivesse sido sua, mesmo que nunca tenha sido. Porque lhes foi destinada por Deus.

Mas a ânsia de matar para cumprir desígnios políticos — ou de justificar as mortes através desses desígnios — tem a mesma força de sempre.


Saul Bellow, Jerusalém Ida e Volta

 

E por esta altura recomeçam as negociações de paz…

 

 

A seguir vou ver o que me diz o Harvey.

Israel

Anúncios

~ por salamandrine em Agosto 1, 2013.

2 Respostas to “Ânsia de matar”

  1. Gostei!! MUITO!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: